Creek Evolution 50CD

Finalmente em demonstração o Creek Evolution 50CD, a fazer companhia ao Creek Evolution 50A.

 

democreekevo50CD

 

Solução dois-em-um, leitor de CD com DAC USB, para quem quer ter um DAC de alta qualidade mas não dispensa a sua coleção de CDs.

Link

 

Nova representação: Synthesis, Art in Music

A VilaSound, Som & Imagem acrescentou ao seu leque de ofertas os amplificadores a válvulas Synthesis, passando a ser seu distribuidor exclusivo em Portugal. synthesislogo2

A Synthesis é uma marca italiana que prima pela qualidade e que conta já com 22 anos de experiencia na criação e desenvolvimento de amplificadores, leitores de CD e tuners valvulados.

Toda a linha de produtos tem vindo a ser renovada. A Synthesis lançou em 2013 as linhas ROMA e ACTION e prepara-se para lançar também um conjunto de produtos que prometem vir a tornar-se uma referencia em alta fidelidade high-end.

 

Todos os produtos são feitos à mão em Itália, com válvulas russas.

A qualidade de construção quer ao nível de implementação de circuitos como de acabamentos estéticos é irrepreensível. Sonicamente achamos que é díficil não gostar e fácil de apaixonar.

 

Temos em demonstração o novo ROMA 753AC. Um amplificador integrado com 2x50W em push-pull com 4 válvulas EL34 na etapa de potencia. Tem o controlo e a potencia para amplificar mesmo as colunas mais difíceis e menos sensíveis, mantendo sempre a riqueza de harmónicos, dinamica e definição. Se gosta de ouvir música, experimente um Synthesis ROMA.

SyROMA753AC

 

Próxima novidade: Synthesis, The Art in Music

 

synthesisr753ac

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em demonstração: Amplificador A/V Anthem MRX 710

 

As Monitor Audio, o REL e o SVS estão ao comando do Anthem MRX 710 na sala de cinema da VilaSound, Som & Imagem.

 

anthemmrx

Anthem MRX 710

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

– Maximum continuous output into 8 ohms, 20 Hz to 20 kHz, 0.1% THD: 2x 120W / 5x 90W

– Anthem Room Correction ARC 1M

– Upscalling 4K e passthrough

 

http://www.anthemav.com

 

SVS em Portugal

A VilaSound, Som & Imagem começou oficialmente a representar a SVS em Portugal em Dezembro 2013.
A SVS é uma empresa americana que tem no seu core business o fabrico de subwoofers que praticamente dispensam a apresentação. Os seus subwoofers resultam de projetos feitos de raiz com tecnologia proprietária e em constante evolução.

 

svslogo+driver

Esoteric + GamuT Audio

High End em demonstração. Venha conhecer a precisão e transparencia do casamento da fonte Esoteric com a amplificação GamuT.

 

Esoteric K-07

esoteric-k-07Leitor de CD/SACD. DAC USB assíncrono 24bit/192KHz. Pré-amplificador digital

 

 

 

 

GamuT Di150

gamutdi150Amplificador integrado  2x180W (8ohm), 2x360W (4ohm) em classe A/B. Dual-mono, apenas 1 Mosfet por canal por fase no estágio de saída.

 

 

 

Em demonstração Dezembro 2013

 

Sala 1

2013sala1Sistema cinema

Imagem: Sony VPL-HW50ES + Tela Image-Screens Cadre Nº1
Fonte: Sony BDP-S790
Receiver AV: Primare SPA23 (ou Pioneer SC-2023)
Colunas: Monitor Audio Silver S6 + S1 + Central + REL T9
Móvel: Spectral

 

 

 

 

Sala 2

201312sala2Sistema Stereo

Fontes: Esoteric K-07 + Thorens TD 309 com Denon DL-103R
Amplificação: GamuT Audio Di150, Creek OBH-15MK2 (pré-phono)
Colunas: Monitor Audio Gold GX300
Cabos: Audioquest, Black SAT, TelluriumQ, VSDEN
Móvel: VilaSound

 

 

 

IMG_0346Sistema Stereo

Fonte: Primare CD32
Amplificação: Creek Evolution 50A
Colunas: Magneplanar MG12
Cabos: TelluriumQ, VSDEN
Móvel: VilaSound

 

 

Audioshow 2013

Dias 15, 16 e 17 estamos fora em visita ao Audioshow 2013

 

Audioshow2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Brevemente: Novas Monitor Audio Silver

Contamos já durante o mes de Novembro com a nova e renovada linha Monitor Audio Silver

 

 

 

 

 

 

 

Como é hábito na Monitor Audio, a renovação da gama incorpora as tecnologias desenvolvidas para as gamas mais altas. As unidades de médios e grave mostram-se contínuas como nas gamas GX e PL. Apresentam assim uma maior superfície de radiação e em conjunto com a bobine e magneto de maior dimensão, melhoram a precisão e sensibilidade de resposta.

As colunas foram redimensionadas, as linhas apuradas, os altifalantes melhorados bem como o interior e espessura das suas caixas, os circuitos internos sofreram upgrades.

 

As novas colunas apresentam-se assim mais refinadas, precisas e mais dóceis para os amplificadores, com uma combinação de sensibilidade alta e impedancia alta.

 

 

 

 

 

 

A sucessora da RX8 conta agora com uma unidade de médios à semelhança da série GX, para melhor integração e coerencia.

É também introduzido um modelo completamente novo para as salas de maior dimensão, a Silver 10, com dois altifalantes para grave e médio grave de 8″.

 

 

 

 

 

 

 

Download da brochura

 

Review: Primare DAC30

Teste ao Primare DAC30

 

primaredac30

PC + Furutech GT2 USB, Densen B-410XS + Black SAT, Primare DAC30

O leitor de CD Primare CD32 sempre recebeu excelente críticas de reviewers e clientes. Destacava-se pela dinamica, detalhe, palco e correta temporização musical. Durante muito tempo, a nova geração de acessíveis DACs USB (conversores Digital-Analógicos USB) mostrava muito talento a reproduzir do PC/MAC formatos de alta resolução mas no formato CD/Redbook perdiam quando comparados com o Primare CD32.Alguns bem se aproximaram mas perderam sempre claramente. Sentia-se frequentemente na sala 2 da VilaSound um sentido de desilusão… “Afinal o CD ainda toca melhor do que os ficheiros”.

Até agora.

O DAC30 revela-se uma soberba máquina de ler ficheiros no computador e desta vez é difícil preferir o irmão CD32. As diferenças são ténues mas, mais uma vez, é difícil preferir o CD32.

Apesar desta surpreendente constatação, chegava a hora de testar não o DAC mas sim o potencial do transporte USB assíncrono vs leitor de CD via saída coaxial S/PDIF. Ligado ao CD32 via S/PDIF o resultado desilude. O CD32 não foi claramente projetado para servir de transporte para um DAC mas sim para funcionar sozinho. Desencadei então uma busca para um transporte de CD que pudesse talvez superar a entrada USB. Foram testados leitores de DVD, Blu-ray e CD, incluindo um Roksan M2 e K2, Densen B-410XS, Meridian G07, Advance MCD203, Audiolab 8200CD, Creek Evolution 2CD, NAD C515, entre outros. Usando por exemplo a faixa “One For My Baby”, Frank Sinatra – Only The Lonely, podemos observar até que ponto um mau transporte de CD consegue destruir a belíssima relação do Sinatra com o seu pianista. A forma como eles interagem desaparece num ápice com um pior transporte, presumivelmente devido a um mau timing do sinal. É um album que depois de ouvir em leitores Esoteric se torna difícil de ouvir com outros. Curiosamente foi o Densen que vemos na imagem que melhor casou com o Primare (Dinamarqueses com Suecos…), seguidos por perto pelos Roksan. A busca de transportes de CD para o DAC30 continua…

Quando voltámos a ouvir com o PC via USB, foi uma pequena desilusão. “Afinal o CD ainda toca melhor do que os ficheiros”. Em suma, o DAC30 eleva o patamar de leitura de ficheiros para um nível verdadeiramente bom mas estou convencido que se transforma numa fonte high end com o transporte certo. O Primare DAC30 é um game changer.

 

Gustavo Rosa