Denafrips Pontus DAC

O mercado dos DACs (digital to analogue converters) tem evoluído significativamente nos últimos anos com muitos fabricantes novos a aparecerem. Novos e antigos, os fabricantes têm desenvolvido novas tecnologias ou ‘refrescando’ tecnologias antigas.
A novidade dos DACs baseados em FPGA (field-programmable gate array) ou em chips SABRE nunca me seduziu particularmente, embora o chip em si seja apenas uma pequena parte de um complexo sistema e por isso existem várias boas propostas no mercado que recorrem a estas tecnologias.
Já tendo testado alguns DACs baseados na velha mas comprovada tecnologia de resistor ladder continuo com a sensação que esta tecnologia mantém um potencial elevadíssimo.
Muitos dos novos fabricantes de DACs optaram desde há algum tempo por vender diretamente ao consumidor final. Embora possa refletir-se no preço (mais baixo), coloca problemas grandes ao consumidor pois não tem muitas hipóteses de testar e, pior, não tem possibilidade de fazer comparações com outros DACs, algo que rotinamente fazemos na loja com todo o tipo de equipamentos.  A história do áudio está repleta de equipamentos com designs e qualidade construção excelentes e especificações impressionantes que desiludem na sua performance. Por essa razão, qualquer audiófilo mais experiente concorda que é preciso experimentar!
Foi isso que fiz com o Denafrips Pontus (experimentar) após alguma negociação com o distribuidor. Um DAC que promete imenso! Denafrips é um fabricante chinês ainda largamente desconhecido, comercializado sob a alçada de Alvin Chee via Singapura que também comercializa a Vision e a Jay’s Audio (a Denafrips é a sua favorita). Começaram por desenvolver o Terminator, o topo de gama – um DAC que conta com a tecnologia R2R e segundo eles mais de 1000 resistências com tolerâncias dentro dos 0,005%, permitindo uma resolução 24bit para ficheiros PCM (segundo eles). A tecnologia de conversão resistor ladder dos Denafrips vem com um twist: a gestão do switch das resistências é feita através de módulos FPGA.
O engenheiro da Denafrips sobre a tecnologia resistor ladder ou R2R: “R2R DACs aren’t novel technology but the very first D/A conversion approach. Strictly speaking, using discrete R2R is no technological innovation but regression. It’s the D/A integrated chip which is the embodiment of technological progress. (…) In effect, any converter IC that’s been designed by a semiconductor firm is a black box. Its ultimate 

performance is already written to its hardware. In most cases, semiconductor engineers are not specialized audio engineers who understand music playback intimately. They won’t perfectly solve certain sonic problems while they design their chips. Once professional audio designers work with them, they cannot overwrite their built-in parameters. Many of their own design ideas can’t be exploited fully. They must always design around the limitations of their chosen silicon. This is precisely why we opted to revisit the most fundamental and early approach of the discrete resistor array. With it, we enjoy perfect freedom to design our very best solutions outside the usual constraints and boundaries which are imposed by the integrated converter chips.”

O Terminator ganhou bastante popularidade em reviews e fóruns internacionais. A Denafrips expandiu a sua oferta e oferece agora opções mais acessíveis. O Pontus beneficia de todo o desenvolvimento do Terminator a um preço extremamente interessante na minha opinião, considerando a sua qualidade de construção e tecnologia envolvida. O chassis do Pontus é feito em espesso alumínio cortado em CNC, fonte de alimentação linear, completamente balanceado, arquitectura proprietária R2R+DSD, CRYSTEK Flagship

CCHD-957 Femto Clocks, DSD1024, PCM 1536kHz, entradas I2S, BNC, AES/EBU, saídas XLR e RCA, enfim… you name it. Tem opção de NOS (Non-Oversampling) e Oversampling, e faz reclocking do sinal em todas as entradas digitais. Com um PVP de 1860€, não há DACs no mercado com este tipo de specs.
E o modelo de venda direta ao consumidor? Não fica mais barato? Em princípio não. Apesar do esforço de qualquer fabricante, dificilmente se evita o pagamento de taxas alfandegárias, portes e IVA. O custo de desalfandegação do Pontus foi de 108€, ao qual acresce a taxa de IVA sobre o custo de desalfandegação e taxa de IVA sobre o valor do Pontus.

COMO TOCA? 

Ainda longe do burn-in recomendado pelo fabricante (umas longas 300h), ainda com apenas cerca de 30h, posso dizer seguramente que é dos melhores DACs que já ouvi independentemente do preço. Toca precisamente nos pontos que procuro como amplitude dinamica, grande palco sonoro e especialmente a preservação do tempo – aquilo que distingue o hifi do high-end hifi: a preservação da excelência da interpretação artística. A diferença entre ouvir os sons/instrumentos e ouvir o artista. Muitos DACs oferecem definição e até dinamica mas retiram a emoção da interpretação.

É sem dúvida uma das peças áudio que mais me impressionou nos últimos tempos independentemente do preço. Se juntarmos o facto de custar muitas vezes menos alguns DACs concorrentes a proposta torna-se incontornável.

Disponível para audição.

Gustavo Rosa

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.