Nov 29 2016

Review: Lusoscreen Darkstar

Darkstar

Com grande orgulho, a VilaSound recebeu o primeiro Lusoscreen Darkstar feito pela empresa do Sr Candeias e sua família.

O Sr Candeias despertou a minha curiosidade com uma fotografia do protótipo na sua sala bem iluminada de luz natural e a incidir a 90º do projetor/ecrã. O nível de preto do espaço com as estrelas bem visíveis e o efeito ‘pop-up’ da nave são inimagináveis para qualquer sistema de projeção, seja qual for o projetor, com esta quantidade de luz ambiente sem recorrer a um ecrã técnico.

img_3581

Protótipo Darkstar, com o famoso Ecrã Curvo Ganho3 por trás.

 

O ecrã Darkstar é mais escuro do que o Curvo Ganho3 e com um pouco menos de brilho, segundo o Sr Candeias. À partida podemos estar a falar de níveis de contraste parecidos, já que baixamos tanto o nível de preto como o de branco. No entanto, com pretos mais profundos podemos resolver aquilo que é sempre uma dificuldade nos projetores, especialmente com qualquer tipo de luz ambiente. Podemos considerar o Darkstar o OLED e os ecrãns curvo e plano os LCD.

O ecrã é particularmente difícil de fotografar pois qualquer luz que incida sobre ele é refletida tornando-o cinzento, ou até branco. Sem luz a incidir é de facto preto mas complicado de captar numa imagem.
img_2768img_2746

 

 

 

 

 

 

 

 

Review

Para a review optei por fazer os testes durante a noite, com todas as luzes desligadas. Todas as paredes, teto e chão são escuros, não refletindo luz de volta para o ecrã. Simulei a luz ambiente recorrendo a um candeiro com uma lampada fluorescente warm white de 20W colocada ao lado esquerdo a cerca de 1.5m do ecrã. Visto que as paredes são escuras, a luz criada é muito baixa.

Sendo que a fotografia no showroom da Lusoscreen mostrava o ecrã com condições de luz ambiente elevadas, optei por demonstrar na review o ecrã com condições de luz fraca e nula. Convém referir que as salas não dedicadas, com paredes brancas, mesmo de noite com todas as luzes desligadas terão na verdade condições mais parecidas ao ambiente criado aqui com luz fraca. Total ausencia de luz é pitch black, em que todas as paredes são pretas ou muito escuras e não há nenhuma emissão de luz exterior, nem as paredes refletem a luz do ecrã de volta para ele.

Em imagens muito escuras a camara fotográfica, e os monitores de computador, têm sérias dificuldades em captar/resolver os detalhes dentro da cor escura por isso é preciso acreditar que a imagem é muito mais natural, não pixelizada, e detalhada ao vivo do que nas fotos do teste.

Foi colocado um quadrado de PVC para tela com ganho 1.1 no centro do Darkstar.

 

img_2696

Luz ambiente

img_2697

Sem luz

 

 

 

 

 

 

 

 

Sendo mais evidente no cenário com luz ambiente, o espaço é mais escuro no Darkstar do que no PVC, sem que se perca o brilho da nave. No cenário sem luz, ambos os sistemas saem beneficiados. Com menos luz ambiente, para além de uma cor mais escura do espaço, a nave ganha outros contornos e parece querer sair do ecrã. O aumento de contraste reduzindo a luz ambiente permite melhor definição dos contornos.

 

img_2703

Luz ambiente

img_2704

Sem luz

 

 

 

 

 

 

 

 

Na imagem com luz ambiente vemos que o Darkstar consegue resolver todo detalhe e contraste na presença de luz. A tela branca, como é habitual, sofre imenso à mínima quantidade de luz ambiente. Já no cenário de escuridão total, o PVC consegue níveis de preto comparáveis mas, e espero que a fotografia demonstre isso, não consegue resolver os detalhes e nuances dentro do escuro. O cabelo tem um entrançado visível no Darkstar que depois diminui significativamente no PVC. Este parametro é particularmente difícil de fotografar. O tom de pele também se torna mais baço e menos brilhante mas já lá vamos…

 

img_2714

Luz ambiente

img_2715

Sem luz

 

 

 

 

 

 

 

 

Na imagem com luz ambiente vê-se no PVC uma distorção nas cores, fruto da contaminação da lampada warm white, enquanto que o Darkstar parece rejeitar essa contaminação de forma muito eficiente. No cenário sem luz observa-se que as tonalidades da almofada e da cara se tornam menos exuberantes, mais dull.

O Darkstar com qualquer tipo de luz ambiente é um no-brainer. As melhorias comparadas com um ecrã normal são demasiado evidentes em 2 segundos de observação. A partir daqui a pergunta passa a ser como se compara numa situação de total ausencia de luz. Neste cenário, a profundidade de negros já não tem o destaque gritante observado anteriormente. Suprendentemente é o brilho extra que tem, sem perder negros (ou seja, contraste superior) que faz com que a imagem se torne mais rica, mais definida e com mais ‘pop’. A imagem parece mais 3D. Mais contraste = melhores contornos.

Tinha algum receio em filmes com mais grão, pois podia evidencia-lo mais e torná-lo desconfortável. No entanto aconteceu o contrário: a imagem torna-se mais organica e o grão mais suave por ser mais definido e fino.

 

img_2722

Luz ambiente

img_2723

Sem luz

 

 

 

 

 

 

 

 

Nesta imagem, o Tom Cruise (Oblivion) está no escuro com um holofote apontado a ele. A luz é muito intensa e ele tem dificuldade em olhar em frente. No Darkstar essa luz é bilhante sem saturar, mantendo intacto o detalhe da roupa. No PVC, o fato torna-se menos brilhante e baço tal como a cara. Vale a pena salientar que o projetor JVC DLA-X30 usado (uma retoma) tem uma lampada em fim de vida que, com ecrã Lusoscreen plano ou uma tela branca normal, tinha de ser usado em modo high-power. Este projetor está especificado com 1300 ANSI Lumens que, em modo normal, com lampada em fim de vida estimo estar a debitar menos de 1000ANSI Lumens.

 

 

Ficha Técnica

Ecrã Lusoscreen Darkstar 100″
Projetor JVC DLA-X30 (lampada com 2700h)
Filmes/Imagens usadas: Avatar, Oblivion

 

Gustavo Rosa

 

Out 08 2016

Review: Creek Evolution 100CD

Quando a Audiolab lançou o 8200CD, este recebeu imensa atenção e vendas. Na altura os DAC USB estavam particularmente populares e Audiolab fez algo que era aparentemente simples: um bom leitor de CD, acessível, que combinava a função DAC USB e leitura de CD na mesma caixa.

Mais tarde, a Creek lançou o Evolution 50CD que apresentava essencialmente as mesmas características do Audiolab 8200CD mas para muitos tocava um pouco melhor. Dentro da sua classe de preço era um excelente candidato mas muito poucos incluiam entrada USB assíncrona, ótica e coaxial; pelo que também o 50CD recebeu excelentes críticas e tem sido um sucesso de vendas, dentro do panorama das decrescentes vendas de leitores de CD… (fyi em fase crescente encontram-se o vinilo e os serviços de cloud, como o Spotify e Tidal).

O mais recente leitor de CD concebido pela Creek é o Evolution 100CD. Se os leitores de 50CD e 8200CD estavam bem apetrechados de funções, o 100CD ultrapassa-as largamente. Inclui agora um recetor Bluetooth, uma saída para auscultadores de alta qualidade, baseada no excelente OBH-21 MK2 (PVP: 440€), e ainda um controlo de volume permitindo ligar o leitor diretamente a etapas de potencia.

Review hifipig

 

Audição

Comparando diretamente com o Evolution 50CD, as diferenças são audíveis nos primeiros segundos. Todos os parametros são elevados a um nível superior, tanto na leitura de CD como usando PC via USB. A música aparece de um fundo escuro, com dinamica e detalhe que se aproxima de leitores high-end. A precisão temporal já permite obter a expressão artística dos interpretes de forma minimamente realistica (o que é raro nesta gama de preços). Comparando com um Primare CD32… A decisão é difícil. Talvez o Primare consiga uma ligeira vantagem, sem que seja óbvia. No entanto, em termos de funções, o Primare é completamente espartano. Continua a ser a referencia nesta gama de preços mas faz apenas e só leitura de CD. O Evolution 100CD é também mais barato (PVP: 1950) do que o Primare CD32 (PVP: 2490€).
Comparando com o Esoteric K-07, as diferenças já se começam a notar de forma óbvia (embora a maior diferença de todas neste comparativo é decididamente entre o 50CD e o 100CD) mas é normal…K-07 já custa uns expressivos 6800€ PVP.

Fizémos também audição de auscultadores com uns Grado SR60i e uns PSB M4U-1 e confirma-se como uma solução excelente. Será necessário subir imenso a fasquia de qualidade e orçamento, tanto em auscultadores como amplificador para se conseguir melhor. Isso é obviamente notório quando comparamos com o conjunto amp+auscultadores STAX SRS-3170. Já agora, se ainda não ouviu os STAX… O que está à espera?

creekevolution100cddemo2

Sistema com iEAST (p/ TIDAL), Creek Evolution 100CD, STAX SRS-323S + STAX SR-307, Grado SR60i, PSB M4U-1

 

Resumo

Se o Creek Evolution 50CD já era um bom leitor na sua gama de preços, o 100CD não é apenas um melhoramento do 50CD. É uma máquina totalmente diferente para melhor. A diferença de preço entre os dois (700€) oferece um incremento de qualidade raro em alta-fidelidade. Na minha opinião compensa inteiramente o esforço financeiro adicional relativamente ao 50CD, ou  a qualquer leitor no intervalo de 1000-1500. Se tem um orçamento até 3000€ aconselho a experimentar seriamente o 100CD. Se já possui um 50CD, ou outro leitor, e pretende fazer um upgrade, contacte-nos para a retoma do mesmo.

 

Set 27 2016

Novidade: Synthesis Roma 96DC+

Com grande antecipação aguardamos a chegada da última criação do Luigi Lorenzon da Synthesis, Art di Music.

newsynthesisroma96dc

 

Trata-se de um puro classe A com 25W usando uma das nossas favoritas, as EL34. Inclui também entradas digitais e pré-phono MM. Tenho poucas dúvidas que será um companheiro ideal para boas colunas e amantes de música. Como sempre, os Synthesis apresentam um design ambicioso e construídos artesanalmente em Morrovalle, Italia.

Fizémos um esforço para colocar um preço acessível de modo a dar o maior acesso possível a esta alta-fidelidade de qualidade.

PVP: 1790€ (DC+ c/ entradas digitais), 1560€ (DC s/ entradas digitais)

newsynthesisroma96dcback

 

 

 

Set 15 2016

Promoção Yamaha RX-A3050

A Yamaha descontinuou o RX-A3050 para dar lugar ao RX-A3060. Isto representa uma oportunidade de adquirir um o topo de gama RX-A3050 novo a preço de saldo.

yamaha-rx-a3050promo

Especificações:

Receiver A/V 9.2. Série Aventage.
UHD Passthrough e Upscaling. 4K60p 4:4:4
2x150W (8 ohms, 20 Hz-20 kHz, 0.06% THD). Conversor ESS SABRE32 ES9006 DAC para todos os canais
Compatível com DSD
HMDI 8/2. DTS:X, DTS-HD Master Audio, Dolby Atmos, Dolby TrueHD
Pré-out 11.2. Wi-Fi, Airplay, Bluetooth.

PVP: 2369€
Preço promocional: 1670€

 

Reviews:

AVFORUMS

HomeTheater HIFI

 

 

Jul 26 2016

Em demonstração: Optoma HD90+

Aproveite para conhecer o Optoma HD90+

optomahd90+

O HD90+ não usa lampada, garantindo 20 000h de funcionamento sem degradação da imagem, graças a iluminação LED. Também não tem tempo de aquecimento, estando pronto a operar um segundo depois de ligar.

 

Especificações:

Tecnologia: LED DLP™ – FULL HD 3D  (1920 x 1080)
Brilho: 1600 ANSI Lumens
Contraste: 600.000:1 contraste dinamico
Lente: 1.22 – 1.52:1 (Lente Shift vertical ±60º e horizontal ±10º)
Duração: 20.000 horas
Peso: 6.5Kg
Garantia 3 Anos (Com recolha e entrega)

PVP: 3759€

Jul 21 2016

FÉRIAS DE VERÃO: 4-15 Agosto

A VilaSound, Som & Imagem vai estar fechada nos dias 4 a 15 de Agosto. Informamos também que durante todo o mes de Agosto abrimos só durante a tarde (15-19h). Se pretender visitar-nos fora deste horário por favor contacte-nos.

summertime

 

Boas férias de verão para todos.

Gustavo Rosa

Jul 12 2016

Em demonstração: Luxman L-505uX

Em rodagem temos o Luxman L-505uX. Amplificação ‘à moda antiga’, no bom sentido.

Quem não gosta de vuímetros?

 

LuxmanL-505uXdemo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

lux00002_20130729123501_6Especificações:

2x100W (8ohm) classe A/B parallel push-pull.

Frequencia de Resposta 20Hz-100KHz (+0, -3.0dB)

Sensibilidade de entrada / Impedancia: Phono (MM): 2.5mV / 47KΩ, PHONO (MC): 0.3mV / 100Ω, LINE: 180mV / 47KΩ

Bi amplificação, pre-phono MM/MC, 22Kg.

PVP: 4400€

 

 

 

 

 

Jul 05 2016

Novidades: GoldenEar, Paradigm e Lumin

goldeneartriton3+Estão disponíveis para audição as novíssimas Goldenear Triton3+.

A GoldenEar tem dado que falar após ter lançado a gama Triton com um conjunto de tecnologias inovadoras no panorama da alta-fidelidade.

As Triton3+ contam com um tweeter de fita e uma unidade de médios de 4.5″. Para reprodução de graves possuem uma woofer quadrático impulsionado por um amplificador interno DSP com 800″. Este woofer atua em conjunto com dois woofers passivos situados na base da coluna aproveitando a proximidade do chão para maximizar o ganho de frequencias baixas.

Surpreendentemente, tudo isto é conseguido de forma coerente sem que se distingam os sons de cada drive obtendo apenas música.

goldeneart3+

 

Especificações:

Impedancia: 8ohm
Freq. Resp.: 21Hz-35KHz
Sensibilidade: 90dB
PVP: 2600€

 

 

Também disponíveis para audição temos as Paradigm Prestige 15B e também o Lumin M1.

Paradigm+LuminAs Paradigm 15B são colunas monitoras de referencia com um PVP de 929€.

 

O Lumin M1 é um sistema pronto-a-tocar usando a tecnologia de streaming de vanguarda da Lumin e junta um amplificador 2x60W DSP. Suporta até DSD128 5.6MHz, Tidal e Qobuz nativos.

PVP: 2980€

 

 

 

Temos mais novidades que iremos anunciar em breve. Visite-nos.

 

Gustavo Rosa

Jun 22 2016

Em demonstração: STAX Earpeakers

A Stax não lhes chama auscultadores/headphones mas sim earspeakers. Eles constroem auscultadores que reproduzem o som através de uma única membrana de mylar conduzida eletroestáticamente.

A primeira vez que ouvi conjuntos STAX (infelizmente) foi no Audioshow 2016 – ver aqui. Fiquei imediatamente rendido à sua qualidade. Apesar de qualquer conjunto STAX (amplificador + auscultadores) custar sempre acima de 1000€, na minha opinião, musicalmente nenhum sistema audio com colunas se chega minimamente perto. São por isso opções excelentes para os insaciáveis melómanos, especialmente quando as regras da casa ditam o silencio.

 

staxdemo1

Em demonstração encontra-se o conjunto STAX SRS-3170 , composto pelo amplificador SRS-323S e auscultador SR-307. Apesar de serem os auscultadores mais baratos da marca, já permitem perfeitamente dar a ideia do que é o som STAX. A não perder.

 

Jun 22 2016

São João – Feriado 24 Junho

No dia 24 de Junho celebra-se o São João em Vila do Conde.

sardinhasÉ um dia sem alta fidelidade mas com transito cortado, marchas populares, carroceis, sardinhas, farturas, concertos, fogo de artifício e praia.

Evite também visitar-nos no dia 23 ao fim do dia (a partir das 17h) porque os acessos até à loja são muito complicados, a não ser que se desloque a pé.

Sábado, dia 25 de Junho, estamos abertos com horário normal.

Artigos mais antigos «